51º Ralicross de Mação - Domingo

Mação foi palco da penúltima prova do Campeonato Nacional de Ralicross, Kartcross e Super Buggy, prova que serviu já para definir alguns dos Campeonatos, no que ao título diz respeito. Ana Matos é já a virtual Campeã Nacional de Ralicross na Super Nacional 4WD. Em situação idêntica estarão também Luís Moreira, na Super Nacional 2RM, João Ribeiro na Super 1600, João Novo na Iniciação e Pedro Rosário nos Kartcross. Claro que estes resultados terão que ser devidamente validados pela FPAK.

macao anamatos Ana Matos (Mitsubishi Lancer EVO VI) macao moreira santinho Luís Moreira (BMW 325i) macao joao ribeiro João Ribeiro (Citroen Saxo S1600)

Finais

Super Iniciação

Rafael Rocha (Peugeot 106) teve que se defender de João Novo (Peugeot 106) na curva um, par manter a liderança. Depois foi assim toda a primeira volta. Ao passar pela meta, Rafael falhou a caixa e deixou de poder defender a primeira posição.

A partir daí João Novo passou a liderar, trazendo Pedro Domingos (Toyota Starlet) logo atrás. Rocha passou a rodar em ritmo lento, cumprindo as voltas que faltavam.

IMG 8970 João Novo (Peugeot 106)

Super Nacional 2 RM

Santinho Mendes pode dizer que “o que mal começa, bem acaba” e depois do susto de ontem, quando teve que desistir com um problema de pressão de óleo, chegou à final em terceiro. Fez uma prova irrepreensível e venceu.

A estratégia das idas à joker lap, foi fundamental para o resultado final. Luís Moreira (BMW 325i) partiu na frente e “aguentou” Santinho em segundo, mas quando chegou a vez de ir à “volta grande”, ficou na segunda posição e já não havia “volta a dar”.

Paulo Reis (Renault Clio) fez uma prova inteligente. Geriu o terceiro posto, certamente na esperança de que algo corresse mal para os da frente, mas teve que se contentar com o mais baixo do pódium.

Arlindo Martins (Peugeot 306) ficava a comandar o grupo da perseguição e levava a melhor sobre Ricardo Mendonça (Peugeot 306) e José Queirós (Peugeot 309). 

O segundo posto de Luís Moreira, permitir-lhe-á ser já o virtual campeão nacional da categoria.

IMG 9026 Partida da Super Nacional 2RM

Super Nacional A 1.6

Pedro Tiago (Peugeot 106) arrancou na frente e por aí foi ficando nas primeiras voltas. Daniel Leal (Citroen Saxo) rodava colado enquanto Sérgio Dias (Citroen Saxo) e Luís Morais (Peugeot 106) lutavam pelo terceiro posto e trocavam de posições.

Entretanto Daniel Leal atrasou-se e passou a ter Sérgio Dias a cobiçar o segundo posto, mas a bandeira xadrez baixava e Leal mantinha o segundo posto, atrás de Pedro Tiago.

IMG 9112 Partida Super Nacional A 1.6

Super 1600

João Ribeiro (Citroen Saxo S1600) fez uma prova irrepreensível, que lhe permitiu comandar e nem sequer chegou a perder o comando, na ida à joker lap. Com esta vitória o campeonato ficará, à partida, decidido a favor de Ribeiro.

Se é certo que Ribeiro dominou, é igualmente certo que o segundo posto, foi alvo da cobiça de quase todos. Só no final é que José Eduardo Rodrigues (Peugeot 206 S1600) pôde descansar, pois até aí foi um resultado “tirado a ferros”.

Desempenho semelhante teve Hélder Ribeiro (Citroen C2 S1600), que até chegou a estar em último, mas depois recuperou até terceiro, à frente de Mário Teixeira, com quem travou um luta interessantíssima.

Joaquim Machado, foi outro dos homens que passou pelo segundo posto, mas a transmissão do Peugeot 206 S1600 traiu-o e acabou em quinto.

IMG 9179 Partida da Super 1600

Super Car

Joaquim Santos (Ford Focus) dominou a corrida em que teve, mais uma vez, oposição de Pedro Matos (Citroen DS3). Santos conquistou vantagem nas voltas iniciais e depois “poupou” a mecânica nas finais.

Ana Matos (Mitsubishi Lancer EVO VI) colocou-se no terceiro posto, primeiro da Super Nacional 4WD. Na fase final da corrida teve alguma pressão por parte de Carlo Pereira (BMW 325 Ix), quer em termos de geral, quer em termos de categoria.

José Lameiro (Seat Leon), falhou a partida, talvez fruto de ainda estar a adaptar-se ao carro que estreou nesta prova. Dessa forma não pôde ir além do quinto posto.

IMG 9252 Partida Super Car

Super Buggy

Ludgero Santos (Toniauto TNTT) voltou a fazer, o que normalmente tem feito,  colocar-se na frente e deixando espaço para que Rafael Teixeira (Toniauto TT) e António Santos (Toniauto TT) discutissem a segunda posição. Nesta luta Teixeira acabou por levar a melhor, depois de ir ganhando tempo a António Santos, que ultrapassou a duas voltas do fim, à entrada da recta da meta.

Kartcross

Os dois principais candidatos ao título, respectivamente Pedro Rosário(Semog Bravo ER) e José Luís Pereira (AG Sport) partiam lado a lado. Não foram os mais rápido no arranque, mas logo de seguida era mostrada a bandeira vermelha. No meio da confusão, Pedro Rabaço tinha ficado de rodas para o ar.

Retomada a prova e a partida parecia “tirada a papel químico” da anterior. Rui Nunes (Semog Bravo) partia muito bem e colocava-se na frente, seguido de muito perto por Pedro Rosário e José Luís Pereira.

José Mota(Semog Bravo) andava na “cola” dos da frente,  mas  Jorge Gonzaga (ASK R268) era cada vez mais “uma sombra” do homem da Trans White. Chegaram a trocar de posições, mas Mota acabaria por levar o quarto posto para casa.

Luís Almeida (Semog) encerrou o grupo dos seis da frente.

Após corridas de qualificação

Super iniciação

Rafael Rocha (Peugeot 106) terminou a qualificação na frente. Uma vitória e dois segundos lugares dão-lhe a pole-position para a final.

João Novo (Peugeot 106) até venceu as duas corridas de Domingo, mas a desistência na primeira corrida impediu-o de ir mais longe.

Sem sorte esteve Pedro Domingos (Toyota Starlet). Um segundo posto no Sábado e duas desitência, uma por um toque e a segunda por a direcção ter partido, colocam-no em terceiro.

Super Nacional

Luís Moreira (BMW 325i) fechou as contas na frente da classificação. Venceu duas corridas e na tereira, teve que ceder aos ataques de Santinho Mendes (Opel Astra) . Aliás a segunda corrida, em que ambos se defrontaram, teve um certo sabor a final, com os dois da frente a terminarem separados por duas décimas.

Santinho Mendes não teve sorte na primeira corrida, em que um incidente bizarro, na suspensão do Opel Astra, que cedeu e cortou um tubo de óleo, motivou a sua desitência.

Paulo Reis (Renault Clio) fechou a qualificação com o segundo posto. Esteve sempre entre os da frente, teve nun segundo posto o melhor resultado e graças a isso terminou a qualificação em segundo, à frente de Santinho Mendes.

Arlindo Martins (Peugeot 306), José Queirós (Peugeot 309) e Daniel Sousa (Peugeot 106) completaram o grupo dos seis da frente.

Super Nacional A1.6

Pedro Tiago (Peugeot 106) fez o pleno e vai partir da pole-position para a final. Daniel Leal (Citroen Saxo) somou dois segundos lugares, mas na corrida do meio (a segunda) desistiu; mesmo assim terminou no segundo posto. Sérgio Dias aproveitou a desistência de Leal para ser segundo e assim assegurar o terceiro lugar da grelha.

Luís Morais (Peugeot 106) vai partir da quarta posição.

Super 1600

Com dois primeiros e um segundo lugar, João Ribeiro (Citroen Saxo S1600), terminou na frente da qualificação. 

Joaquim Machado (Peugeot 206) não começou da melhor forma, mas os dois segundo lugares no Domingo, garantem-lhe que parte da segunda posição para a final.

Mário Teixeira (Ford Fiesta S1600) teve no terceiro posto de Sábado o melho resultado, que lhe garante igual posição na grelha da final.

José Eduardo Rodrigues (Peugeoto 206 S1600) e Hélder Ribeiro (Citroen C2 S1600) são respectivamente quarto e quinto classificados, à frente de Bruno Gonçalves (Citroen Saxo S1600) que venceu a corrida de Sábado, mas nem sequer pontuou no Domingo.

Super Car

Joaquim Santos (Ford Focus) e Pedro Matos (Citroen DS3) discutiram a primeira posição e tiveram que “ir à negra”, para se saber quem seria o detentor da pole-position na final. Foi Joaquim Santos.

Ana Matos (Mitsubishi Lancer EVO VI) parte da terceira posição, é a senhor melhor classificada e simultaneamente a melhor da Super Nacional 4WD, sendo já virtual campeã da categoria.

José Lameiro (Seat Leon) foi quarto, terceiro dos Super Car, à frente de Calor Pereira (BMW 325 Ix), segundo da Super Nacional 4WD.

Super Buggy

Ludgero Santos (Toniauto TNTT) venceu duas das três corridas de qualificação, deixando espaço par que Rafael Teixeira (Toniauto TT) fosse sempre segundo e dessa forma tivesse igual posição para a final. António Santos (Toniauto TT) ganhou a terceira corrida, mas os dois terceiros na inicial, colocaram-no em terceiro para a grelha final.

Kartcross

Pedro Rosário (Semos Bravo ER) e José Luís Pereira (AG Sport) foram os protagonistas da luta pela pole-position. Rosário fez o pleno de vitórias e a primeira posição é do Campeão em título.

José Luís Pereira teve no quarto posto, na terceira corrida como pior resultado e dessa forma foi segundo à frente de Rui Nunes (Semog Bravo).

José Mota (Semog Bravo) encerrou as contas da qualificação em quarto, à frente de José Pinheiro (Semog Bravo ER) e de Pedro Palma (Semog).

João Moutinho está definitivamente em “dia não”. Depois do acidente de sábado, um capotanço aparatoso, sem consequências para o piloto, colou-o definitivamente fora da prova.

macao rosario domingo Pedro Rosário (Semog Bravo ER) macao capotanco Rui Nunes (Semog Bravo) passa por João Moutinho que tinha acabado de capotar com o HSport 600.

51º Ralicross de Mação - Sábado

Mação recebe a sexta prova do Campeonato Nacional de Ralicross, Kartcross e Super Buggy. Meia centena de pilotos aderiram à prova e neste grupo destaca-se a presença de José Lameiro, que alinhou com um Seat Leon Super Car, que estreou nesta prova. No primeiro dia decorreram treinos e a primeira corrida de qualificação.

lameiro José Lameiro (Seat Leon)

Super Iniciação

O mais rápido nos treinos cronometrados, João Novo, nem sequer chegou a partir. A caixa de velocidades do Peugeot 106 partia e Rafael Rocha (Peugeot 106) ficava em primeiro, com Pedro Domingos (Toyota Starlet) a rodar colado. Foi assim durante toda a corrida.

IMG 7410Rafael Rocha (Peugeot 106)

Super Nacional

Santinho Mendes (opel Astra) partia da pole-position da manga A, pois foi o mais rápido nos treinos. Arrancou bem, colocou-se na frente e geriu a corrida, levando a melhor sobre Daniel Sousa (Peugeot 309), José Queirós (Peugeot 206) e Dario Simões (Opel Astra).

Pouco depois, na ida à joker lap, o Astra de Santinho tinha problemas de motor e Daniel Sousa passava para primeiro, posição em que terminava a corrida.

Luís Moreira (BMW 325i) nos treinos ficava a 44 centésimas de Santinho Mendes e assim era “o pole-position” da manga B. Partia bem e colocava-se na dianteira.

Arlindo Martins (Peugeot 306) ficava em segundo, pressionado por Paulo Reis (Renault Clio), pouco depois trocavam de posições e Reis distanciava-se, cortando a meta em segundo.

IMG 7466Luís Moreira (BMW 325i)

Super Nacional A 1.6

Pedro Tiago (Peugeot 106) assinou o melhor tempo dos treinos e a “pole” deu-lhe a vantagem que lhe permitiu defender a primeira posição na curva um. Depois geriu a corrida.

Sérgio Dias (Citroen Saxo) andava por perto e encabeçava a perseguição ao líder. Por sua vez, Dias, era seguido por Luis Morais (Peugeot 106) e Daniel Leal (Citroen Saxo). Com as idas à joker lap e a pressão que Daniel Leal manteve na segunda metade da prova, tudo se alterou e Leal foi segundo. Sérgio Dias e Luís Morais seguiam-no, respectivamente

Super 1600

João Ribeiro (Citroen Saxo S1600) foi o mais rápido nos treinos e partiu na frente. Hélder Ribeiro (Citroen C2 S1600) partia muito bem, ia para segundo e rumava à joker lap.

Joaquim Machado (Peugeot 206 S1600) era segundo, mas pressionado por José Eduardo Rodrigues (Peugeot 206 S1600). Entretanto Machado ganhou distância e rumou para o segundo posto, seguido do jovem Rodrigues e de Hélder Ribeiro, cujo C2 não estava a dar o rendimento necessário para discutir a corrida.

Na manga B, Bruno Gonçalves (Citroen Saxo S1600) partiu bem, seguia-o Mário Teixeira (ford Fiesta S1600) e com Ricardo Soares fora de combate, depois de problemas nos treinos, a corrida ficava definida cedo.

joao ribeiroJoão Ribeiro (Citroen Saxo S1600)

Super Car

Joaquim Santos (Ford Focus) mais uma vez era detentor da pole-position, partia na frente e Pedro Matos (Citroen DS3) era uma espécie de “sombra”.

Ana Matos comandava a Super Nacional WD, na terceira posição e nem mesmo meio pião na entrada da recta da meta, lhe tirava o lugar. Carlos Pereira (BMW ix) seguia-a, mantinha o segundo da Super Nacional.

José Lameiro é um regresso que se saúda e que aqui estreia um Seat Leon Super Car. Nos treinos teve problemas mecânicos e na partida optou por arrancar com “muita cautela”. Depois seguiu até ao quinto posto da geral.

santos macaoJoaquim Santos (Ford Focus) 

Super Buggy

Apesar de ter a pole-position, Ludgero Santos (Toniauto TNTT) optou por arrancar da posição do meio. Mesmo assim colocou-se na frente logo na primeira curva. Rafael Teixeira (Toniauto TT) colocava-se em segundo, seguido por António Santos (Toniauto TT).

Kartcross

José Luís Pereira (AG Sport) mais uma vez bateu o melhor tempo dos treinos cronometrados e ganhou a “pole” da serie A. Na partida Pereira arrancou na frente, mas logo de seguida era mostrada a bandeira vermelha.

Na saída da curva um, Mário Rato (Semog Bravo), do lado esquerdo da pista, pressionado pelos concorrentes que estavam por fora na curva, não conseguiu evitar um toque na barreira o Semog saiu projectado e de seguida João Matias (HSport) e João Moutinho (HSport) não conseguem evitar o toque, tendo Rato andado tipo “bola de flipers” pelo meio da pista.

Os meios de socorro foram imediatamente accionados, o aparato do acidente assim o obrigava, o kart ficava muito mal tratado e Mário Rato era transportado ao Hospital de Abrantes, com suspeita de fractura na perna esquerda.

Retomada a prova e José Luís Pereira voltou a arrancar bem e a colocar-se na frente. Logo atrás vinham Luís Almeida(Semog)  e Sérgio Castro ASK Evo 14), em “modo de ataque”. A luta sem quartel pelo segundo lugar levava ambos a terminarem contra a barreira.

Jorge Gonzaga (ASK R268) era o quarto e foi quem mais beneficiou com o toque. “Herdou” o segundo posto, à frente de Pedro Palma (Semog).

Na serie B, Rui Nunes (Semog Bravo) arrancou melhor do que o detentor da pole-position e passou para a frente de Pedro Rosário (Semog Bravo ER). Muita luta pela liderança e Rosário passava para a frente. José Mota (Semog Bravo) aproveitava a “boleia” para ser segundo, à frente de Rui Nunes.

rosario macao Pedro Rosário (Semog Bravo ER)

As provas vão regressar amanhã, a partir das 9.00 horas, estando as semi-finais e finais marcadas para as 15.45 horas.

Meia centena em Mação

A sexta prova do Campeonato Nacional de Ralicross, Kartcross e Super Buggy, vai ter lugar já no próximo fim-de-semana.

Cinquenta e quatro pilotos estão inscritos na prova do Clube Automóvel de Mação, sendo a lista mais extensa a dos Kartcross, que contribuíram com 21 inscritos. Os homens habitualmente da frente estão todos presentes, pois esta pode se ruma prova decisiva, em termos de Campeonato. Com 84 pontos ainda em jogo, o posto ocupado por Pedro Rosário, pode ainda ser “cobiçado por Jorge Gonzaga e José Luís Pereira.

Nos Super Car/Super Nacional 4WD saúda-se a chegada de um novo concorrente. José Lameiro comprou recentemente um Seat Leon Super Car, que vai levar à pista maçaense, certamente já os olhos postos na próxima época. Joaquim Santos e Pedro Matos ganham assim um novo concorrente.

O horário prevê que as “hostilidades” sejam abertas ao meio-dia, com a realização dos treinos livres, prolongando-se até ao fim-da-tarde, com a realização das primeiras corridas de qualificação. No Domingo a actividade é retomada às 09.00 horas, com as semi-finais e as finais a acontecerem às 16,30, hora prevista.

toque s1600 1 A S1600 vai reunir oito concorrentes em Mação

Ralicross de Montalegre 1 - Domingo

Montalegre acolheu a quinta prova do Campeonato Nacional de Ralicross, Kartcross e Super Buggy. O público, que esteve em força na pista barrosã, assistiu a corridas com emotividade e discussões acesas, normalmente desde a partida, até ao baixar da bandeira xadrês.

Rafael Rocha venceu na iniciação, Joaquim Santos nos Super Car, Ana Matos na Super Nacional 4WD, Ludgero Santos ganhou nos Super Buggy, Pedro Rosário nos Kartcross, Sérgio Dias impôs-se na Nacional A 1.6 e Mário Barbosa foi um regresso saudado na Super 1600, que venceu. Por fim, a Super Nacional 2RM, uma prova que ficou marcada por toques e penalizações, fruto da emotividade de algumas "lutas".

O convidado

Desta vez o Seraical Team e a promoção do Campeonato foram buscar um convidado da área do desporto. Cândido Barbosa, detentor de 121 vitórias e Campeão Europeu de Esperanças em 1996, é uma das grandes referências do ciclismo nacional. Sentou-se aos comandos do AG SPort, no Campeonato Nacional de Kartcross e provou ter muita pedalada e "estar a adorar a experiência. Rapidamente comecei a ganhar confiança e certamente que esta é uma experiência a repetir."

Na prova evoluiu muito bem e só não conseguiu um lugar na final porque "houve um aditamente ao horário, as corridas que qualificação passaram todas para a manhã e eu não me aprecebi disso. Estava convencido de que a terceira corrida de qualificação ia ser às 14,30h e fui à vila, quando regressei ao circuito é que soube que a corrida já estava a decorrer e não pude alinhar. Como não me classifique,i fiquei fora da final e tenho muita pena, pois acho que aí sim ia ser fantástico estar me pista com mais 19 concorrentes. Mas pronto, a fallha foi minha e mesmo assim gostei muito." Rematou Cândido Barbosa.

candido montalegre IMG 4653 Candido Barbosa (AG Sport)

Iniciação

Rafael Rocha (Peugeot 106) foi quem partiu melhor e assumiu o comando na curva um. Pedro Domingos (Toyota Starlet) discutia o segundo posto com João Novo (Peugeot 106), essa luta permitia a Rocha ganhar algum conforto na liderança.

Lá mais para trás Andreia Sousa (Toyota Starlet) e Rodrigo Correia (Peugeot 205) tocavam-se na entrada da recta da meta. Andreia levava a melhor, até que depois era a vez de Rodrigo assumir o quarto posto.

Na frente as coisas estavam animadas e só após todos terem ido à joker lap, era possível entender quem seria segundo.

Rafael Rocha rodava para a vitória e Pedro Domingos cortava em segundo, à frente de João Novo. Andreia Sousa, com a mecânica do Toyota a não “render”, contentava-se em ser a melhor concorrente feminina, atrás de Rodrigo Correia.

Francisco Silva foi a ausência desta final, pois não foi possível colocar o carro em condições de competir, depois dos problemas (primeiro de motor e depois o toque) desta manhã.

IMG 5166 Rafael Rocha (Peugeot 106)

Super Nacional 2RM

Duas semi-finais para definirem quem vai disputar a corrida final, pois o número máximo de participantes a isso obriga.

Santinho Mendes (Opel Astra) arrancou bem e venceu a corrida. Luís Moreira (BMW 325i) pressionou no início, mas depois manteve a segunda posição, sem correr mais riscos. Adão Pinto (Opel Astra OPC) foi terceiro, à frente de José Sousa (Peugeot 306).

Na segunda meia-final, Celmo Guicho teve que lutar para se manter na frente, mas foi “sol de pouca dura” a mecânica do Renault Clio traia-o e não acabava a corrida. Ricardo Mendonça (Peugeot 306) assumia o primeiro posto e depois não mais o largava, embora Daniel Sousa (Peugeot 106) estivesse apostado em ganhar e não lhe desse um segundo de descanso. A corrida terminava e os dois primeiros estavam encontrados, por esta ordem.

Hugo Santos (Honda Civic) foi terceiro, à frente de Dario Simões (Opel Astra). Estes pilotos seguiram para a final.

Final

Santinho Mendes (Opel Astra) não partiu bem e rapidamente era ultrapassado pelos adversários. Luís Moreira (BMW 325i) assumia a liderança e iniciava-se uma serie de lutas pelas várias posições.

Hugo Santos (Honda Civic) e José Sousa (Peugeot 306) discutiam a posição e o homem do Honda acaba por ficar a perder, na sequência de um toque. Pouco depois novo toque leva a que José Sousa tenha um capotanço aparatoso e fique atravessado no meio da pista, com o piloto dentro do carro.

A corrida não parou e na cabeça da corrida Santinho lançava ataques sucessivos a Moreira. Entretanto Santinho Mendes força a ultrapassagem e passa para frente. Nessa altura José Sousa saia do carro e caia na pista. Era mostrada a bandeira vermelha. A corrida parava entre grande contestação e os pilotos a serem chamados ao colégio de comissários desportivos.

José Sousa era socorrido, mas não tinha qualquer ferimento.

Uma vez que a corrida foi terminada com bandeira vermelha, a classificação ficou ordenada da seguinte forma: Luís Moreira ganhou, seguido por Ricardo Mendonça, Adão Pinto, Santinho Mendes, Dario Simões e Hugo Santos. Santinho perdeu duas posições, fruto de uma penalização de dez segundos, deliberada pelo colégio.

Super 1600

Mário Barbosa (Ford Fiesta S1600) partiu na frente, com João Ribeiro (Citroen Saxo S1600) a discutir a travagem. Chegam à curva um lado-a-lado, tocam-se, Barbosa segue para primeiro, Ribeiro baixa para a terceira posição. Bruno Gonçalves (Citroen Saxo S1600) aproveita para furar pela confusão e coloca-se em segundo.

A nova fase da corrida passava pela luta do segundo posto, em que João Ribeiro tentava a todo o custo ganhar o lugar a Bruno Gonçalves. Hélder Ribeiro (Citroen C2 S1600) aproveitava-se desta luta para “colar” aos da frente e com as idas à joker lap, acabou mesmo por conseguir o posto mais baixo do podium, atrás de Mário Barbosa e Bruno Gonçalves.

João Ribeiro ficou na quarta posição, Com Mário Teixeira (Ford Fiesta S1600) a rodar perto e a cobiçar a posição. Joaquim Machado (Peugeot 205 S1600) era o terceiro elemento deste grupo, colado, por sua vez, à traseira do Fiesta, terminou em sexto, com mais quatro décimas. 

IMG 5257 Mário Barbosa (Ford Fiesta S1600)

Super Nacional A 1.6

A pole-position assentou como uma luva a Sérgio Dias (Citroen Saxo) para assumir a liderança na partida e conseguir ganhar vantagem, com a discussão que se travava logo atrás.

Daniel Leal (Citroen Saxo) e Pedro Tiago (Peugeot 106) ficavam a discutir o segundo lugar. À segunda voltas essa luta terminava com um toque em que Leal ficou a perder.

Américo Sousa (Citroen Saxo) assumiu a segunda posição e João Oliveira (Peugeot 206), que até tinha partido de terceiro, tinha baixado na classificação e estava a recuperar, era agora uma espécie de “dor de cabeça” de Sousa e tentava ganhar a posição.

A bandeira xadrez era mostrada e Sérgio Dias vencia, seguido por Américo Sousa, João Oliveira, Luís Morais (Peugeot 106), Vítor Sousa (Citroen Saxo) e Andreia Oliveira (Toyota Starlet), a melhor senhora em prova.

Super Car/Super Nacional 4WD

Joaquim Santos (Ford Focus) arrancou na frente e passou a comandar a prova. Atrás vinha Pedro Matos (Citroen DS3) e Ana Matos (Mitsubishi Laancer EVO VI). Apesar das posições se terem definido bastante cedo, o espectáculo manteve-se com as grandes “atravessadelas” e acelerações de cortar a respiração a fazerem as delícias do público.

montalegre supercar Joaquim Santos (Ford Focus) pressionado por Pedro Matos (Citroen DS3)

Super Buggy

Apenas dois concorrentes estiveram presentes na prova: Ludgero Santos (Toniauto TNTT) venceu as duas primeiras corridas de qualificação e na final fez o mesmo. Nuno Neto (Toniauto TT) venceu a terceira corrida de qualificação e começou bem na final, mas a mecânica do Toniauto acabou por ceder e ficou pelo caminho. Ludgero acabou a correr sozinho, mas com um ritmo digno de corrida.

Kartcross

Luis Almeida (Semog) arrancou da pole-position, mas Pedro Rosário (Semog Bravo ER) foi mais lesto, chegaram todos juntos à curva um, Luís Almeida passou pela confusão e uma espécie de acidente de em cadeia, na curva um, motivava nova aparição da bandeira vermelha.

Nova partida, nova corrida e mais uns toques na curva um, mas desta vez passavam todos e Pedro Rosário estava na frente.

Rui Nunes era segundo e trazia Tiago Freitas completamente colado. Por sua vez o homem do HSport não se podia distrair, pois Jorge Gonzaga pressionava, nem que fosse para escapar de José Mota que não perdia uma oportunidade para “incomodar”.

Pedro Rosário conseguia colocar a vantagem em 1,8s, sobre Rui Nunes, que por sua vez  tinha cerca de quatro segundos de vantagem sobre o terceiro, Tiago Freitas. Estes eram os homens do pódium, nas posições seguintes: Jorge Gonzaga, José Mota e Luís Almeida. 

IMG 4952 Kartcross 

Resumo após corridas de qualificação

Super Iniciação

Pedro Domingos (Toyota Starlet) foi o melhor classificado após as corridas de qualificação. Venceu duas e foi segundo na inicial (disputada ontem, Sábado).

João Novo (Peugeot 106) fechou as contas com o segundo posto, com dois terceiros e um segundo lugares na classificação. Algo não esta bem na caixa de velocidades do Peugeot e Novo tem perdido sempre tempo nas partidas, rodando mesmo num ritmo mais lento na última qualificação.

Rafael Rocha (Peugeot 106) começou bem, venceu a primeira corrida de qualificação, mas o mesmo já não aconteceu nas seguintes, tendo inclusive tido um toque ligeiro na última.

O quarto posto, foi posse da melhor senhora, neste caso menina, em prova. Andreia Sousa (Toyota Starlet) teve um segundo lugar, na última corrida, como melhor resultado, e dessa forma levou a melhor sobre Francisco Silva, que na última prova não conseguia evitar um toque com Pedro Domingos, ao regressar da Joker Lap, e sobre Rodrigo Correia, cujo Peugeot 205 parece não estar na melhor forma.

Super Nacional 2RM

Mais uma vez assistimos a uma luta de campões em título. Santinho Mendes (Opel Astra), Campeão Nacional da Super Iniciação em título, fez o plenos nas vitórias e fechou as contas com o primeiro lugar. Celmo Guicho (Renalt Clio), Campeão Nacional em título da Super Nacional 2RM, foi segundo. Não começou bem, foi sexto na primeira qualificação e depois teve que correr atrás do prejuízo.

Luís Moreira continua a dar espectáculo com o BMW 325i e tem sido regular nos resultados, dois quartos e um terceiro, que o colocam com a terceira posição da grelha de partida da final, à frente Hugo Santos (Honda Civic). Fabio Silva (Peugeot 106) e Ricardo Mendonça (Peugeot 306), encerraram o “top 6”.

Super 1600

Mário Barbosa veio a Lousada testar o Ford Fiesta S1600 e dominou na segunda e terceira corridas. Deixou a oportunidade em aberto na primeira, em que foi segundo e João Ribeiro (Citroen Saxo S1600) aproveitou-a da melhor forma. Depois Ribeiro fez dois segundos e conseguiu a segunda posição da qualificação.

Mário Teixeira (Ford Fiesta S1600) foi regularmente o quarto e disputou sempre a lideranças das mangas em que participou. Fechou contas com o terceiro lugar, à frente do Companheiro de equipa, Ricardo Soares (Citroen Saxo S1600).

Bruno Gonçalves (Citroen Saxo S1600) e Hélder Ribeiro (Citroen C2 S1600) completaram o grupo dos seis da frente.

Super Nacional A 1.6

Sérgio Dias (Peugeot 106) começou bem, a vencer e repetiu a “graça na segunda corrida de qualificação. Na última bastou-lhe um terceiro lugar, para ganhar a pole-position para a final.

Daniel Leal (Citroen Saxo) afirmou-se como o segundo, depois de uma qualificação muito discutida, em que terminou empatado em pontos, com João Olivieira (Peugeot 206). Três terceiros e um segundo lugares para Leal; dois segundos e um quarto para Oliveira, ambos terminaram com oito pontos.

Pedro Tiago (Peugeot 106) venceu a última corrida, mas como tinha sido quinto nas duas primeira, terminou com o quarto posto, à frente de Luís Morais (Peugeot 106) e de Américo Sousa (Citroen Saxo).

Super Car

Joaquim Santos (Ford Focus) fez o pleno de vitórias, mas com pressão de Pedro Matos (Citroen DS3), que rodou sempre muito próximo. Na segunda teve um monumental pião na entrada da recta da meta, seguido de toque na barreira, mas não perdeu a segunda posição, pois cortou a meta de traseira…

Ana Matos (Mitsubishi Lancer EVO VI) fez naturalmente terceiros lugares e pontua na “Nacional”.

Super Buggy

Apenas com dois concorrentes em prova, as contas são simples: Ludgero Santos (Toniauto TNTT) venceu as duas primeiras corridas de qualificação e Nuno Neto (Toniauto TT) venceu a terceira. Apesar de serem poucos, os concorrentes dos Super Buggy, parecem fazer jus à expressão “poucos mas bons” e as corridas são interessantes de acompanhar.

Kartcross

Mais uma vez o equilíbrio ditou lei nas qualificações e Luís Almeida (Smog) levou a melhor, com uma primeiro, um segundo e um terceiro postos. Logo a seguir, qualificou-se Pedro Rosário (Semog Bravo ER), que teve no sexto posto da primeira manga, o resultado que lhe comprometeu a pontuação, pois de seguida venceu por duas vezes.

Rui Nunes (Semog Bravo) qualificou-se em terceiro, com  um segundo posto na segunda corrida, como melhor resultado. Tiago Freitas (HSport) foi quarto, à frente de Mário Rato e Jorge Gonzaga.

Se prémio do azar houvesse, certamente que seria atribuído a José Luís Pereira (AG Sport). Ontem teve um capotanço logo após a partida e hoje começou o dia com um motor partidp. Muito trabalho no Seraical Team, 18º posto da grelha de partida. 

Ralicross de Montalegre 1 - Sábado

A quinta prova do Campeonato Nacional de Ralicross, Kartcross e Super Buggy arrancou hoje em Montalegre, com a realização das sessões de treinos (livres e cronometrados) e da primeira corrida de qualificação.

Entre as ausências, destaca-se Danny Moreau, que não teve o Renault Clio Super Car pronto a tempo  e entre as presenças, saúde-se o regresso ao Nacional de Mário Barbosa, que veio testar em corrida, o Ford Fiesta S1600, que usa no Europeu.

Outra presença notória foi Cândido Barbosa, que aceitou o convite do Seraical Team e da promoção do Campeonato, para vir correr a Montalegre.

“Há aqui uma coisa que começa a parecer-me muito idêntica à bicicleta, principalmente quando fazemos descidas com muita velocidade, que são as trajectórias e nesta modalidade as trajectórias são fundamentais, para quem quer pilotar rápido e nisso é muito parecido com as bicicletas… e naturalmente que aproveito essa experiência. Já sinto alguma confiança, é uma experiência para ficar e provavelmente para repetir.” Confessou o ex-ciclista, agora na pele de piloto.

cbarbosa montlegre Candido Barbosa (AG Sport)

Iniciação

João Novo (Peugeot 106) partia da pole-position, fruto do tempo de 45,410s que lhe permitiram ser 1,2s mais rápido do que Rafael Rocha (Peugeot 106).

Na primeira serie da primeira corrida de qualificação, João Novo falhou a partida e Francisco Silva (Citroen Saxo) foi para frente. Novo ficava atrás de Rodrigo Correia (Peugeot 205), mas uma boa estratégia na ida à Joker  Lap, permita-lhe passar para segundo. Pouco depois esra a vez de Francisco ir à Joker e Novo ganhava a manga.

Na segunda serie Rafael Rocha partia bem e assumia a liderança logo nos primeiros metros, com Pedro Domingos (Toyota Stralet) a pressionar. Andreia Sousa (Toyota Stralet) era a terceira. Os dois primeiros optaram por ir à Joker ao mesmo tempo e, assim, as posições mantinham-se.

Super Nacional 2RM

Celmo Guicho (Renault Clio) foi o mais rápido nos treinos. Levou a melhor sobre Santinho Mendes (Opel Astra) por 25 milésimas!

A primeira manga da primeira corrida de qualificação foi aziaga para Guicho, que partiu mal e viu-se a discutir o terceiro lugar no fim da recta da meta. Luís Moreira (BMW 325i) estava na frente, mas seria “sol de pouca dura”, pois pouco depois era a vez de Hugo Santos (Honda Civic) passar para a frente. As idas à joker baralhavam tudo, mas quando a corrida terminava era o homem do BMW quem cortava em primeiro, seguido de Hugo Santos, Adão Pinto e Celmo Guicho.

Na segunda manga, Santinho Mendes partia bem e defendia-se dos ataques de José Sousa (Peugeot 306). Seguiam-nos Ricardo Mendonça (Peugeot 306) e Dario Simões (Opel Astra). Santinho destacava-se e vencia.

Fabio Silva (Peugeot 206) era o detentor da pole para a terceira manga. Partia bem, mas tinha que se esforçar, pois a concorrência andava perto e por “concorrência” entenda-se José Queirós (Peugeot 206) e lá mais atrás, Daniel Pacheco (Fiat Punto). Com o odecorrer das voltas as posições definiram-se, sem se alterarem.

santinho montalegre Santinho Mendes (Opel Astra)

Super 1600

Mário Barbosa (Ford Fiesta S1600) foi o mais rápido nos treinos, tendo batido João Ribeiro (Citroen Saxo S1600), por seis décimas.

Bruno Gonçalves (Citroen Saxo S1600) partiu como um tiro e logo atrás aparecia o companheiro de equipa, Mário Barbosa, alinhou com o Ford Fiesta S11600, com que tem participado no Europeu. Prova sempre muito disputada, Barbosa não facilitava a vida ao companheiro e cunhado, que terminava na segunda posição, com José Eduardo Rodrigues (Peugeot 206 S1600) completamente colado. Aliás Rodrigues ainda foi segundo, mas os regressos da “joker” colocavam-no no mais baixo do pódium.

João Ribeiro arrancava bem, partia da pole position para segunda manga e passava a liderar a corrida, até ganhar o conforto necessário para cumprir a Joker Lap. Mário Teixeira (Ford Fiesta S1600) foi um adversário “duro de roer”, sempre a pressionar. Nuno Araújo (Citroen C2 S1600) não escapava a um susto, quase a cortar a meta, quando fez um tête na última curva.

Super Nacional A 1.6

Sérgio Dias (Citroen Saxo) e Luis Morais (Peugeot 106) discutiram o melhor tempo dos treinos e terminaram separados por menos de meio segundo (0,499s).

Dias aproveitou a “pole” para ir para a frente da primeira manga. Pedro Tiago (Peugeot 106) rodou no segundo posto e era seguido por João Oliviera (Peugeot 206), que pouco depois era o novo líder da corrida. Era preciso esperar que todos cumprissem a joker lap, para entender a classificação final e Sérgio Dias levou a melhor, sobre João Olivieira.

Na segunda corrida Luis Morais não arrancou da melhor forma e assim permitiu que Daniel Leal (Citroen Saxo) assumisse o primeiro lugar. Américo Sousa (Citroen Saxo) era o segundo, mas a corrida só se ia decidir na última volta, quando Daniel Leal regressava à pista e “dava de caras” com Luís Morais, que entretanto tinha assumido a liderança. Final de corrida impróprio para cardíacos, com Leal a cortar a meta primeira.

Super Car/Super Nacional 4WD

Joaquim Santos (Ford Focus) não teve dificuldade de assumir o primeiro posto, logo nos primeiros metros da corrida, deixando Pedro Matos (Citroen DS3) no segundo lugar. O final da corrida foi verdadeiramente espectacular, com o Citroen de Matos, a rodar completamente colado ao Ford de Santos, que venceu. Ana Matos (Mitsubishi Lancer EVO VI) era terceira e naturalmente ganhava a Super Nacional.

Super Buggy

Apenas dois concorrentes em pista e Ludgero Santos (Toniauto TT) a levar a melhor sobre Nuno Neto (Toniauto TT), nos treinos a na primeira corrida de qualificação.

Kartcross

Pedro Rosário (Semog Bravo ER) aproveitou bem a pole-position para assumir a liderança da primeira manga.  Mário Rato (Smeog Bravo) furou desde o quarto lugar a da grelha, até ao segundo posto, mas Mauro Reis (HSsport) não baixava os braços e era terceiro , à frente de Sérgio Castro. Daniel Godinho (Semog Bravo) era a senhor melhor classificada.

A segunda manga não começou bem para José Luís Pereira, que capotava na primeira curva.  “Levei um toque na traseira e desatei às cambalhotas”. Comentava o piloto. A bandeira vermelha era mostrada, para retirar o kartcross do Seraical Team.

Retomada a prova e José Mota (Semog Bravo) estava da frente, na entrada da recta da meta, cortava demais na direita e acabava por perder a liderança para Rui Nunes (Semog Bravo). Pedro Rabaço (HSport) defendia-se dos toques de Pedro Palma (Semog). Gonçalo Valentim bateu com alguma violência na entrada da recta da meta e o convidado, Candido Barbosa, ganhou uma posição,”ao sprint”, sobre a meta.

Luís Almeida (Semog) colocou-se na frente da corrida. Tiago Freitas (HSport), que tinha feito uma arranque espectacular desde quarto, tinha que se defender dos ataques de João Matias (HSport), que não se dava por vencido depois de perder o segundo posto. Ora, esta luta permitia que Luís Almeida se distanciasse e vencesse.