Rally Serras de Fafe - Sábado

topo pag rali fafe

O Rally Serras de Fafe abriu o Campeonato Nacional de Ralis e Ricardo Moura e António Costa entraram com o pé direito. Lideraram o primeiro dia, que ficou marcado pela realização da Fafe Street Stage, prova que trouxe os ralis ao centro da cidade e que foi assistida por largos milhares de pessoas.

O DEMOPORTO  organiza a prova que este ano soma as 30 edições sempre com Fafe como palco e que termina amanhã, domingo.

Tempos e classificações em: http://cnr.cronobandeira.com/ 

fafe moura Ricardo Moura/António Costa (Ford Fiesta R5) - Fotode Zoom Motorsport

miguel barbosa Miguel Barbosa/Miguel Ramalho (Skoda Fábia R5) - Foto de Aifa

fafe meireles sabado Pedro Meireles/Mário Castro (Skoda Fabia R5) - Foto de Zoom Motorsport 

Montim 1

Ricardo Moura e António Costa (Ford Fiesta R5) foram os mais rápidos na primeira passagem por Montim, prova especial de classificação que abriu o Campeonato Nacional de Ralis 2017. Os 8,66Kms da classificativa foram cumpridos em 6m 18,60segundos.

A principal oposição foi protagonizada por Pedro Meireles e Mário Castro (Skoda Fábia R5) a 3,9 segundos, à frente de João Barros e Jorge Henriques (Ford Fiesta R5), que fizeram mais 4,7 segundos do que os primeiros.

A dupla Campeã Nacional em Título, José Pedro Fontes e Inês Ponte (Citroen DS3 R5) não foi além do quarto tempo, com 6m 24,60s, a seis segundos exactos dos líderes.

Ricardo Teodósio e José Teixeira (Mitsubishi Lancer EVO X) fizeram o décimo tempo, 6m 42,00s  e foram os melhores do grupo N.

Nas duas rodas motrizes Pedro Antunes e João Leonês (Peugeot 208) foram os mais rápidos, com o tempo de 8m 58,60s, deixando os seus principais adversários, Daniel Nunes e Rui Raimundo (Peugeot 208) a 5,60 segundos.

Os espanhóis Pepe Lopez e Borja Rosada desistiram, depois de destruírem o radiador do Peugeot 208 no salto.

Confurco 1

Ricardo Moura e António Costa viram a distância para os segundos classificados ficar apenas em uma décima de segundo. Pedro Meireles e Mário Castro venceram a classificativa, com o tempo de 7m 14,20s.

José Pedro Fontes e Inês Ponte foram os terceiros melhores, à frente de Miguel Barbosa e Miguel Ramalho (Skoda Fábia R5).

O DS3 de Fontes e Ponte tinha indícios de um toque na traseira a chegou ao fim sem o vidro lateral direito."um vidro que se descolou, problemas normais dos ralis", disse Fontes, que se queixou que esta falta o desconcentrou.

João Barros e João Henriques terminaram a classificativa com a quinta melhor marca.

Alexander Villanueva e Oscar Sanchez desistiram com problemas mecânicos no Citroen DS3 R5.

Furo na roda dianteira direita no Ford Fiesta R5 de Gustavo Espiñel e Yeray Eugénio.

Ricardo Teodósio e José Teixeira (Mitsubishi  Lancer EVO X) queixavam-se de que o piso estava muito escorregadio e perdiam a liderança do Grupo N para Carlos Martins e Daniel Amaral (Mitsubishi Lancer EVO X) por 6,90s.

Montim 2

Ricardo Moura e António Costa voltaram a assinar o melhor, com 6m14,20s e ganharam algum tempo aos segundos, Pedro Meireles e Mário Castro. A distância temporal entre os dois primeiros é agora de 1,70 segundos.

Paulo Meireles e Marcos Gonçalves (Skoda Fabia R5) provam que “quem sabe não esquece” e fazem a terceira melhor marca no troço, a 5,30s dos primeiros.

Elias Barros e Paulo Babo desistem depois de um capotanço do Ford Fiesta R5.

Confurco 2  

Ricardo Moura e António Costa voltam a ser os mais rápidos. Assinam o tempo de 7m 21,10s e consolidam a primeira posição. Têm agora 20,90s de vantagem sobre os principais adversários.

José Pedro Fontes e Inês Ponte são segundos na classificativa e na classificação geral. Pedro Meireles e Mário Castro, que lutavam pelo segundo posto, viram o motor do Skoda perder rendimento e afundaram-se na classificação. Sétimo tempo no troço, sexto à geral após a 4ª PEC.

Paulo Meireles e Marcos Gonçalves continuam ao ataque, assinam mais um terceiro tempo, a 12,70s de Moura e Costa.

Miguel Barbosa e Miguel Ramalho (Skoda Fábia R5) deram um toque no início do troço, o que poderá explicar os cerca de 22 segundos perdidos entre esta passagem e a anterior.

Carlos Vieira e Jorge Carvalho chegaram ao fim da classificativa com a frente do Citroen bastante danificada do lado esquerdo.

Ricardo Teodósio e José Teixeira regressaram à liderança do Grupo N, mas completamente empatados em tempo com Carlos Martins e Daniel Amaral. Ambas as equipas em Mitsubishi Lancer EVO X.

Nas duas rodas motrizes Pedro Antunes e João Leonês lideram, com 15,90s de vantagem sobre Daniel Nunes e Rui Raimundo.

 Montim 3

Pedro Meireles e Mário Castro parecem ter resolvido os problemas do motor do Ford Fiesta e venceram a terceira passagem por Montim. Fizeram 6m 21,20s e bateram José Pedro Fontes e Inês Ponte por 4,30s.

Ricardo Moura e António Costa fizeram o terceiro tempo, com mais 2,20s que Fontes e mantêm a primeira posição do rali, agora com 18,70s a menos que a equipa do Citroen.

Carlos Vieira e Jorge Carvalho recuperaram o DS3, do toque na classificativa anterior e fizeram o quarto tempo nesta.

Mantém-se uma luta sem quartel entre os homens dos Mitsubishi. Carlos Martins e Daniel Amaral passaram para a frente, com uma vantagem de 1,50s sobre Ricardo Teodósio e José Teixeira.

Pedro Antunes e João Leonês ficam um pouco mais descansados na frente das duas rodas motrizes, após a desistência de Daniel Nunes e Rui Raimundo, motivada pela perda de uma roda do Peugeot. 

Confurco 3

Pedro Meireles e Mário Castro mantêm a toada de ataque e ganham a classificativa, com 7m 29,20s são três décimas mais rápidos do que Ricardo Moura e António Costa, que mantêm a liderança da classificação geral.

José Pedro Fontes e Inês Ponte são 5,5s mais lentos e perdem a vice-liderança para Pedro Meireles. 

Na Produção mantém-se tudo ao rubro e Ricardo Teodósio e José Teixeira responderam aos ataques de Carlos Martins e Daniel Amaral. Passaram para a frente e têm agora uma vantagem de 12,50s.

Dizem os primeiros

Ricardo Moura

"Arrancamos do ponto de vista desportivo com o pé direito, desde o início na liderança do rali."

"Vamos tentar continuar neste ritmo… nos troços de noite tivemos um problema, que nos complicou um bocadinho a vida, que foram os faróis de longo alcance, que se desligavam. No caso de Montim desligaram-se mais ou menos a meio da classificativa, no Confurco menos mal, foi só no último quilómetro e meio, dois. Nas travagens, com as transferências de massa, ficamos com pouca visibilidade, mas acabou por correr bem… Há problemas muito mais graves do que isso."

"Vamos tentar fazer o nosso melhor e amanhã, digo que isto ainda vai a meio e está tudo muito em aberto."

Pedro Meireles

 “O rali arrancou bem, mas tivemos problemas a meio da competição. Entramos com força, mas com cautela e fomos ganhando ritmo."

"Estávamos numa acesa disputa pela liderança com o Ricardo Moura, mas na quarta classificativa o tubo do intercoolor soltou-se, o que nos fez perder cerca de 30 segundos. Foi um azar que nos aconteceu."

"No fim da classificativa reparamos o tubo e as últimas duas provas já correram melhor. Ganhamos as provas, mas já estamos muito distantes do primeiro lugar."

"Recuperamos o segundo lugar nestas duas últimas classificativas, mas não era esse o nosso objetivo. Estávamos a lutar pelo primeiro lugar. Foi um azar, mas vamos continuar a lutar até ao fim!”

José Pedro Fontes

“O balanço é positivo! Estamos no pódio. Tanto o Ricardo Moura como o Pedro Meireles estão com um andamento muito forte, mas estamos a tentar acompanhar o máximo possível.

Temos esperança que amanhã os pisos se degradem menos e que possamos estar mais fortes nos troços!”

Fafe Street Stage

A duas passagens pelas ruas de Fafe permitiram que Ricardo Moure e António Costa consolidassem a posição de líderes da prova, fechando as contas do dia com o tempo total de 44m 30,30s depois de vencerem as duas especiais, com uma diferença para os principais adversários de 3,4s na primeira, e 3,6 na segunda passagem.

Pedro Meireles e Mário Castro, depois de solucionarem o problema do tubo do turbo que saltou, mantiveram uma toada rápida, que lhes permitiu terminar o primeiro dia a 31, 30s dos líderes.

José Pedro Fontes e Inês Ponte estão agora a 34,80s dos líderes, com Meireles e Castro apenas 3,5s na frente, quando ainda faltam disputar as cinco classificativas de amanhã.

João Barros e Jorge Henriques, na segunda passagem da Fafe Street Stage foram segundos, numa luta muito cerrada, em que apenas Ricardo Moura esteve inatingível. No fim do dia Barros e Henriques são quartos classificados.

Miguel Barbosa e Miguel Ramalho tiveram na primeira passagem da Super-especial Fafense o melhor resultado do dia. Foram segundos e fecharam as contas com o quinto posto.

Na Produção Ricardo Teodósio e José Teixeira, estão mais descansados.  Carlos Martins e Daniel Amaral tiveram que abandonar com problemas de sobreaquecimento no motor do Mitsubishi.  A oposição a Teodósio e Teixeira é agora protagonizada por Vítor Ribeiro e Pedro Alves (Mitsubishi Lancer EVO IX), que estão a 2m 04,20s.

Pedro Antunes e João Leonês mantêm-se na frente das duas rodas motrizes, agora com Paulo Neto e Vítor Hugo (Citroen DS3 R3T Max) a 1m 25,40s. Gil Antunes e Diogo Correia são os terceiros desta luta.

As duas passagens pela classificativa urbana de Fafe encerraram o primeiro dia de competição, com chave de ouro, num espectáculo que atraiu largos milhares de espectadores ao centro da cidade.

Taça de Ralis de FPAK de Terra

Os homens dos Mitsubishi Lancer conquistaram naturalmente o pódio no final do primeiro dia de competição após as passagens triplas pelos troços de Montim, Confurco e pela super-especial urbana de Fafe.

À frente, Fernando Peres e José Pedro Silva (Mitsubishi Lancer EVO IX) que somaram 49m 48,60s, menos 30,10s que os vice-líderes Ricardo e Carlos Matos (Mitsubishi Lancer EVO IX), que até entraram bem, a vencer a primeira passagem por Montim, mas depois só deu Peres, em termos de vitórias em classificativas.

José Merceano e Francisco Pereira com um bem menos evoluído EVO IIV encerraram o grupo dos três da frente.

António Oliveira e Luís Boiça levaram o Peugeot 205 GTI ao quarto posto da geral, primeiro entre os duas rodas motrizes, depois de uma luta bem acesa com Paulo Correia e Pedro Lopes (Peugeot 206), que fecharam o grupo dos cinco da frente.

Regional

Para abrir, os concorrentes do Regional fizeram uma dupla passagem pela Fafe Street Stage, que foi vencida por Rui Guedes e Vitor Pereira (BMW E30). Com o tempo de 3m 59,70s, bateram João Andrade e Ricardo Cartuxo (BMW 328), por 9,10s. O terceiro posto provisório é posse de António Alves e Marco Campos (Mitsubishi EVO).

Amanhã , Domingo, vão ser disputadas cinco classificativas, com tripla passagem por Luílhas e duas por Lameirinha. 

rodape rali fafe17