Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais sobre o uso de cookies.

Rali Montelongo - Carlos Vieira

Cronobandeira Live Results

Em Fafe disputou-se o Rali Montelongo – Carlos Vieira, que contou para o Campeonato de Ralis Norte, Copa 106 e Challenge 1.000 cc. No cômputo prova pode-se dizer que o prémio saiu em casa, com os fafenses Paulo e Natacha Antunes em Peugeot 208 VTi a dominarem. 

A organização foi do DEMOPORTO, Clube de Desportos Motorizados do Porto.

D3S 4620 Pódio final 

PEC 1 – Montim 1

Paulo e Natacha Antunes (Peugeot 208 VTi) começaram da melhor forma, vencendo a primeira classificativa da prova. Com o tempo de 3m 48,2s, bateram Filipe Madureira e Emanuel Gonçalves (Mitsubishi Lancer EVO IX), por 7,8s.

Mário Castro e Ricardo Cunha (Ford Fiesta Eco Boost) rodaram em mais dois segundos do que Madureira e fizeram o terceiro tempo, à frente de Luís Azevedo e Gabriel Cunha (Mitsubishi Lancer EVO VII), por 6,8s.

Problemas mecânicos ditaram os abandonos de Pedro Lopes e Duarte Gouveia (Peugeot 207 RC/GTi) e da dupla José Adriano Costa e Tiago Ferreira (Nissan Micra)

António Veiga e Ricardo Barbosa (Peugeot 106) saiam de estrada e desistiam. O acidente não teve consequências para a equipa.

PEC2 – Rio Vizela 1

Paulo e Natacha Antunes (Peugeot 208 VTi) voltaram a assinar o melhor tempo, com 6m 40,0s, e reforçaram a liderança, que em termos de geral é agora de 20 segundos.

Mário Castro e Ricardo Cunha (Ford Fiesta Eco Boost) imprimiram um ritmo muito forte, e foram segundos, com a marca de 6m 50,7s e dessa forma ultrapassaram Filipe Madureira e Emanuel Gonçalves (Mitsubishi Lancer EVO IX).

Luís Azevedo e Gabriel Cunha (Mitsubishi Lancer EVO VII) eram os quartos, à frente dos “clássicos” Ilderico e Marco Almeida (Triumph Dolomite Sprint).

Após a primeira ronde, Rafael Marques Pereira e Sandro Pereira comandam na Copa Peugeot 106, com uma luta animada com Rafael e Gonçalo Cunha e ainda com José Veiga e Edgar Nova. Pedro Pereira e Sandro Trindade (Peugeot 107) são os comandantes do Challenge 1000cc.

Os problemas mecânicos voltaram a fazer baixas. António Carvalho e Francisco Vieira Leite, em Fiat Punto HGT e Cesar Rodrigues e Aristides Carvalho (Peugeot 206) ficaram pelo caminho.

PEC 3 – Montim 2

Filipe Madureira e Emanuel Gonçalves (Mitsubishi Lancer EVO IX) lançaram o ataque que lhes permitiu ganhar dois segundos a Paulo e Natacha Antunes (Peugeot 208 VTi). Foram os mais rápidos na classificativa, mas mantêm o terceiro posto da geral, agora apenas a uma décima dos segundos classificados: Mário Castro e Ricardo Cunha (Ford Fiesta Eco Boost).

Luís Azevedo e Gabriel Cunha (Mitsubishi Lancer EVO VII) continuavam a ser quartos, quer na classificativa, quer na geral.

Hugo Araújo e Fernando Miguel (Fiat Punto HGT) tomaram de assalto o quinto posto, desalojando para o sexto lugar Ilderico e Marco Almeida (Triumph Dolomite Sprint).

Manuel Pereira e Pedro Alves (Ford Escort) desistiram com problemas mecânicos.

PEC 4 – Rio Vizela 2

Paulo Antunes e Natacha Antunes (Peugeot 208 VTi), voltaram a assinar o melhor tempo, depois de uma prova que quase parecia tirada a papel químico, face à passagem anterior. Fizeram a classificativa em 6m 40,1s, ou seja uma décimas mais lentos do que na primeira passagem..

Mário Castro e Ricardo Cunha (Ford Fiesta Eco Boost) foram 5,8s mais lentos mas reforçavam o segundo posto, agora três segundos à frente de Filipe Madureira e Emanuel Gonçalves (Mitsubishi Lancer EVO IX).

O quarto lugar era de Luís Azevedo e Gabriel Cunha (Mitsubishi Lancer EVO VII).

Ilderico e Marco Almeida (Triumph Dolomite Sprint) foram 14 segundos mais lentos do que na passagem prévia e assim perderam três posições de uma assentada.

Hugo Araújo e Fernando Miguel (Fiat Punto HGT) continuaram a imprimir um ritmo rápido e passaram para quintos, à frente de Paulo Pereira e Pedro Costa (Suzuki Swift).

Rafael Marques Pereira e Sandro Pereira mantinham-se na frente na Copa Peugeot 106 e logo a seguir continuava a luta animada, mas agora José Veiga e Edgar Nova tinham levado a melhor sobre Rafael e Gonçalo Cunha.

Pedro Pereira e Sandro Trindade (Peugeot 107) eram os comandantes do Challenge 1000cc, com a oposição de João e André Pestana (Toyota Aygo).

João Fontes Pereira e Rita Martins desisitiam por avaria no Peugeot 106.

PEC 5 – Montim 3

Filipe Madureira e Emanuel Gonçalves (Mitsubishi Lancer EVO IX) voltaram a vencer a PEC. Ganharam um segundo a Paulo e Natacha Antunes (Peugeot 208 VTi), que parecem estar já a controlar a vantagem, pois dominam a prova com 30,9s de vantagem sobre a equipa do EVO IX, que ficou com o segundo posto praticamente na mão.

Mário Castro e Ricardo Cunha (Ford Fiesta Eco Boost) rodaram num tempo muito modesto de 4m 32,8s, devido a problemas mecânicos e acabaram por ter que desistir na ligação.

Luís Azevedo e Gabriel Cunha (Mitsubishi Lancer EVO VII) subiram, desta forma, uma posição e passaram a ser terceiros, à frente de Hugo Araújo e Fernando Miguel (Fiat Punto HGT). Paulo Pereira e Pedro Costa (Suzuki Swift) encerravam o grupo dos cinco da frente.

Ilderico e Marco Almeida desistiram com problemas mecânicos no Triumph Dolomite.

Miguel Barroso e Cláudio Pinto (Renault Clio R3) faziam um pião, não conseguiam recolocar o carro em marcha e desistiam. Os concorrentes que os seguiam encontraram o Clio na estrada, não conseguiram passar e a prova foi neutralizada.

PEC6 – Rio Vizela 3

Paulo e Natacha Antunes (Peugeot 208 VTi) baixaram o ritmo na última classificativa da prova, mas mesmo assim voltaram a realizar o melhor tempo e depois foi seguir até Fafe para receberem os troféus da geral, do grupo P1 e ainda o Troféu Carlos Vieira, para a equipa fafense melhor classificada.

Filipe Madureira e Emanuel Gonçalves (Mitsubishi Lancer EVO IX) geriram a prova e seguiram até ao segundo posto e à vitória no grupo P3. O pódio ficava fechado com os vencedores do grupo X3, Luís Azevedo e Gabriel Cunha (Mitsubishi Lancer EVO VII).

Hugo Araújo e Fernando Miguel fizeram uma óptima prova, que levava o Fiat Punto HGT ao quarto posto e à vitória no grupo X2. Seguiram-nos Paulo Pereira e Pedro Costa (Suzuki Swift), que ao quinto posto, juntam a vitória nos X1.

A Copa Peugeot foi vencida por Rafael Marques e António Pereira, que só mais para o fim da prova podiam descansar um pouco, pois os segundos, José Veiga e Edgar Nóvoa, andaram sempre por perto, tendo terminado a 16,9s. O terceiro posto foi conquistado por 6,8s e foi para Rafael e Gonçalo Cunha.

No Challenge 1.000cc, Pedro Pereira e Sandro Trindade levaram o Peugeot 107 à vitória descansada, pois João Pestana e André Pestana terminaram a cinco minutos.

D3S 3351 Paulo e Natacha Antunes (Peugeot 208 VTi)

Grupo X5

Por fim o Grupo X5, onde militam as equipas que podem participar no Campeonato de Portugal de Ralis, ou seja: os carros com homologação, Vítor Pascoal e Ricardo Faria, dominaram com o Porsche 991 GT3. Com o tempo de 31m 00,9s teriam ganho a prova à geral, caso pudessem pontuar para o Regional.

José Paula e Jorge Carvalho (Peugeot 208 T16) foram os segundos classificados, depois de um prova corrida sem sobressaltos. O restante posto do pódio foi posse de Tiago Macedo e José Carlos Silva (Renault Clio Sport).

D3S 4690

Rali Montelongo com 40 inscritos

Cronobandeira Live Results

Fafe vai receber, já no próximo fim-de-semana, o Rali Montelongo – Carlos Vieira, que conta para o Campeonato de Ralis Norte, Copa 106 e Challenge 1.000 cc.

O Campeão de Portugal de Ralis 2017, Carlos Vieira, pilotos com fortes raízes em Fafe, vai ser a figura homenageada na presente prova, que tem organização do Demoporto, Clube de Desportos Motorizados do Porto.

O rali tem partida marcada para as 10,00 horas de Sábado, na Praça das Comunidades, em Fafe. Vão ser disputadas seis classificativas, em sistema de rondes, três por cada um dos troços Montim (6,92Km´s) e Rio Vizela (10,79Km´s). Ao todo vão ser 175 quilómetros de prova, sendo 53,13 de troços cronometrados.

Com 40 equipas inscritas, a prova tem tudo para ser um sucesso. Em termos de Copa Peugeot, estão 15 inscritos e mais dois no Challenge 1.000 cc.

Horários:

Partida                                                     10h 00

PEC                                       1ª passagem      2ª passagem      3ª passagem

Montim                                    10h 33                12h 25                  14h 42

Rio Vizela                                11h 16                13h 08                  15h 25

Pódio                                       16h 30

 

1 Cartaz 300x400

As inscrições nos ralis são tema

 

 

ACOR

Recentemente uma autodenominada Comissão de Pilotos, “lançou uma cruzada” contra o valor das inscrições praticadas nos ralis dos campeonatos regionais.

A autodenominada Comissão de Pilotos tentou forçar as organizações a baixarem as inscrições para 250,00 Euros, o que é totalmente incomportável para qualquer clube que organize provas.

Hoje em dia, a organização de um rali obriga a gastos incontornáveis, nomeadamente com segurança. A saber:

Por cada concorrente o clube organizador paga 38,00 Euros de seguro e 25,00 Euros por um localizador GPS, equipamento que é fundamental em caso de acidente, pois permite um imediato accionamento de meios em caso de acidente. Estes valores estão já incluídos no preço da inscrição, tal como o IVA à taxa legal.

Cada elemento dos bombeiros e das forças policiais, fundamentais para a manutenção da segurança é pago a partir de 12,50 Euros à hora, durante as provas. Estes são penas dois exemplos básicos de gastos relativos de cerca de uma vintena de itens de custos em cada prova.

Quanto aos valores de inscrição em ralis, gostaríamos igualmente de alertar para o seguinte caso, explicado em linguagem para leigos no que a ralis diz respeito:

Qualquer concorrente que pretenda participar, terá antes de mais que ter um carro. Imaginemos que compra um pequeno hatcback de 1.600 cm3, duas rodas motrizes, já com 20 anos. Gastará, no mínimo cerca de 3.000,00 Euros, a contar por baixo. De seguida, terá que preparar o carro e vamos partir do princípio que a intervenção apenas passa pela montagem de órgãos de segurança (bancos de competição, cintos e gaiola de segurança, equipamentos ignífugos e capacetes) e suspensões e facilmente a factura vai superar os 3.000,00 Euros.

Depois vai participar numa prova com cerca de 170 a 180 Km´s, dos quais 50 são troços cronometrados. Para conter custos vai no utilitário que usa todos os dias, apenas acompanhado do navegador. Imaginando que gasta entre sete e meio e oito litros aos cem, vai gastar qualquer cosia como 21 a 22,00 Euros de combustível. Certamente que vai comer umas sandes que leva num merendeiro e junta mais dez Euros à conta. A treinar gastou 30,00 Euros, com grande optimismo, e não foram contabilizados gastos de desgaste do automóvel, portagens, nem combustível desde casa até ao local dos treinos.

Chegados ao dia da prova e ao carro que já ficou por mais de 6.000,00 Euros, tem que juntar quatro pneus, que é o minimamente indispensável. Imaginemos que são pneus de competição, para jante 16” e em segunda mão, gastou de 400,00 a 600,00 Euros e foi totalmente inconsciente, pois colocou a segurança em causa. Gastou mais ou menos 40 litros de combustível comercial, o que dará qualquer coisa como 60,00 Euros.

Alem disso levou uma carrinha, com dois amigos a fazerem a vez de mecânicos. Ambos comeram duas refeições e deslocaram-se num comercial ligeiro, gastaram mais cem Euros… com optimismo.

Após a prova, em que não teve qualquer percalço, fez uma revisão às suspensões e uma revisão à mecânica e facilmente gastou mais 400,00 Euros. Com contas muito optimistas, o rali ficou em 1.060,00 Euros, sem contar com o carro.

As inscrições para a próxima prova têm um custo de 320,00 Euros. O proposto pela autodenominada Comissão de Pilotos é de 250,00 Euros. Ou seja está a ser discutida uma verba de menos de sete por cento de um orçamento muito optimista. Além disso, se pensarmos que num automóvel competitivo, os custos inerentes à participação facilmente se aproximam de cem Euros por quilómetro de troço cronometrado, então aí estaremos a falar de 1,4% do orçamento por prova, em termos de inscrição. É neste tipo de valores que assenta o protesto da autodenominada Comissão de Pilotos.

A participação em qualquer prova desportiva, motorizada ou não, implica normalmente uma inscrição paga, que serve para que entre outras coisas, as organizações possam melhorar temas como a segurança. Para as organizações de ralis, em Portugal, a segurança é um tema sério e que não pode ser descurado, tal como a grande maioria dos pilotos nacionais concorda.

 

Rali Serras de Fafe - Sábado

PlacaRallySerrasdeFafe.png

Dani Sordo e Carlos del Barrio, em Hyundai i20 R5, passearam a classe na 32.ª edição do Rali Serras de Fafe, vencendo 13 das 14 classificativas que compuseram a prova da Demoporto, que percorre algumas das mais emblemáticas especiais dos ralis mundiais para todos os aficionados, sendo que, para muitos, portugueses e estrangeiros, são mesmo as mais espetaculares sem qualquer contestação.

serrasdefafe sordo final Dani Sordo/Carlos del Barrio (Hyundai i20 R5)

serrasdefafe salto2 Ricardo Teodósio/José Teixeira (Skoda Fabia R5)

As dezenas de milhares de entusiastas espetadores que acompanharam o rali ao longo destes dois dias são disso mesmo bem demonstrativos.

E se a prova não teve história nem por um segundo no que ao vencedor absoluto diz respeito, cedo na manhã do segundo dia deixou de ter relativamente ao vencedor para as contas do Campeonato de Portugal de Ralis (CPR). Ricardo Teodósio, navegado por José Teixeira no Skoda Fabia R5, cedo superou a dupla Ricardo Moura/Antonio Costa, em carro idêntico, e foi consolidando a vantagem de forma consistente ao longo de todo o sábado, garantindo um merecido triunfo, já em modo de gestão na ponta final.

Moura perderia ainda mais uma posição, para Miguel Barbosa e Paulo Babo, noutro Skoda Fabia R5, enquanto José Pedro Fontes, no saudado regresso de Inês Ponte ao banco direito do Citroën C3 R5 oficial, fazendo uma prova de trás para a frente, acabou por garantir um positivo quarto lugar para o CPR, posição conquistada, no derradeiro troço, à dupla Bruno Magalhães/Hugo Magalhães, em Hyundai i20 R5 oficial.

O outro i20 oficial, pilotado por Armindo Araújo e navegado por Luís Ramalho, foi sétimo, mas o campeão nacional em título teve o mérito de ter sido o único piloto capaz de bater Dani Sordo num troço (passagem por Montim), oscilando entre o excelente e o não tão bom, com dois percalços que o arredaram da luta pela vitória no CPR. Mesmo assim, o piloto de Santo Tirso gostou do ritmo que conseguiu impor e reconheceu ter um carro muito competitivo.

As duplas Alberto Heller Ancarola/José Luís Diaz (Ford Fiesta RC2), Pedro Heller Ancarola/Marc Marti Moreno (Ford Fiesta R5) e Pedro Almeida/Alberto Silva (Skoda Fabia R5) completaram, por esta ordem, o lote dos dez primeiros classificados.

Uma nota final para a excelente prova de Pedro Antunes e Paulo Lopes, em Peugeot 208 R2, que lhes valeu a vitória entre os carros de duas rodas motrizes e também o triunfo na ronda inaugural da Peugeot 208 Rally Cup Ibérica 2019, liderando da primeira à última especial.

 

Declarações no final da prova

Dani Sordo, vencedor da 32.ª edição do Rali Serras de Fafe

“A Prova correu bem, estamos contentes. Fizemos um bom treino, com bom ritmo, o que, afinal, era o que essencialmente pretendíamos."

serrasdefafe podium2Ricardo Teodósio, segundo classificado e vencedor entre os concorrentes do CPR

“Já há muito tempo que aqui tentávamos vencer, porque é um rali de que eu gosto muito, independentemente de ser algarvio e de esta prova se realizar em Fafe, bastante longe. Sempre gostei desta prova e tinha como objetivo vencê-la um dia. Hoje foi esse dia. O campeonato, este ano, está muito competitivo, acho que é um dos mais competitivos de sempre, e foi muito bom vencer aqui, perante todos os nossos adversários, porque são todos bons, vários campeões nacionais. No ano passado, quando acabámos de perder o nosso rali, lá em baixo em casa, disse, para o ano, vamos ganhar a Fafe. E graças a Deus e a toda a equipa, a ARC e os meus patrocinadores, conseguimos a nossa primeira vitória em 2019."

PE13-Luílhas 2 – Sordo impõe-se na derradeira PE e vence sem contestação

Ricardo Teodósio, em ritmo de grande gestão na última classificativa, garantiu a vitória para o CPR no Rali Serras de Fafe. Por seu turno, Miguel Barbosa segurou o terceiro lugar à geral com autoridade, ao perder apenas 1,9s para Dani Sordo, batendo Ricardo Moura por três segundos.

A grande reviravolta entre os dez primeiros protagonizaram-na Bruno Magalhães e José Pedro Fontes, com este último a superar o lisboeta na luta pela quarta posição do CPR e quinta da geral. Fontes entrou com 3,7 segundos de atraso para a PE13 e concluiu a prova com menos 2,7 segundos do que Magalhães.

O resto do top 10 manteve-se inalterado, tal como o triunfo entre os carro de duas rodas motrizes, competição particular dominada de início a fim por Pedro Antunes, em Peugeot 208 R2 da Raly Cup Ibérica.

Classificação final oficiosa: 1.º Dani Sordo/Carlos del Barrio (Hyundai i20 R5), 1h27m57,7s; 2.º Ricardo Teodósio/José Teixeira (Skoda Fabia R5), a 1m14,0s; 3.º Miguel Barbosa/Paulo Babo (Skoda Fabia R5), a 1m24,4s; 4.º Ricardo Moura/António Costa (Skoda Fabia R5), a 1m29,5s; 5.º José Pedro Fontes/Inês Ponte (Citroën C3 R5), a 1m56,8s; 6.º Bruno Magalhães/Hugo Magalhães (Hyundai i20 R5), a 1m59,5s; 7.º Armindo Araújo/Luís Ramalho (Hyundai i20 R5), a 2m29,5s; 8.º Alberto Heller Ancarola/José Luís Diaz (Ford Fiesta RC2), a 2m33,4s; 9.º Pedro Heller Ancarola/Marc Marti Moreno (Ford Fiesta R5), a 3m13,0s; 10.º Pedro Almeida/Alberto Silva (Skoda Fabia R5), a 3m40,8s…

PE12-Montim 2 – Dani Sordo Para não variar

Disputada a penúltima especial do Rali Serras de Fafe 2019, Dani Sedo voltou o a ser o mais rápido e praticamente o único foco de atenção que resta é a luta cerrada pelo terceiro lugar à geral, segundo para o CPR, entre Miguel Barbosa e Ricardo Mouro. O açoriano entrou de «faca na liga» e perdeu apenas meio segundo para Sordo, mas Barbosa não quis deixar por menos, e cedeu somente um segundo, deixando a diferença entre ambos nos 2,1s. A luta promete até final.

No restante, relativamente aos dez da frente, a tabela parece consolidada, com um Ricardo Teodósio já mais comedido mas ainda muito rápido a ter a vitória praticamente assegurada no CPR, acontecendo o mesmo relativamente a Pedro Antunes na Peugeot 208 Rally Cup Ibérica e nas duas rodas motrizes.

Classificação após PE12: 1.º Dani Sordo/Carlos del Barrio (Hyundai i20 R5), 1h20m22,2s; 2.º Ricardo Teodósio/José Teixeira (Skoda Fabia R5), a 59,0; 3.º Miguel Barbosa/Paulo Babo (Skoda Fabia R5), a 1m22,5s; 4.º Ricardo Moura/António Costa (Skoda Fabia R5), a 1m24,6s; 5.º Bruno Magalhães/Hugo Magalhães (Hyundai i20 R5), a 1m49,5s; 6.º José Pedro Fontes/Inês Ponte (Citroën C3 R5), a 1m53,2s; 7.º Armindo Araújo/Luís Ramalho (Hyundai i20 R5), a 2m20,8s; 8.º Alberto Heller Ancarola/José Luís Diaz (Ford Fiesta RC2), a 2m23,5s; 9.º Pedro Heller Ancarola/Marc Marti Moreno (Ford Fiesta R5), a 3m00,3s; 10.º Pedro Almeida/Alberto Silva (Skoda Fabia R5), a 3m25,8s…

Ricardo Teodósio, líder do CPR

“Agora vamos ter de tentar gerir estes segundos que temos de avanço, que já são alguns, e vamos continuar a andar com uma toada viva, mas com atenção, porque os quase 27 segundos de avanço que temos é muito tempo para perder em dois troços. O objetivo é tentar ganhar para o CPR, o que seria uma vitória saborosa aqui em Fafe, porque há muitos anos que me está atravessada. Venci há dois anos para o Grupo N, mas não tonha hipóteses contra os R5 e mesmo assim fizemos um quinto lugar à geral que considero muito positivo. Agora, com um R5 e com a experiência de dois anos, conseguimos um bom set-up no carro e estamos com muita confiança, como se pode ver pelo resultado até agora”.

Armindo Araújo, vencedor da PE10

“Esta tarde está tudo a correr bem, para além de vencermos um troço à geral, vencemos mais dois para o CPR, o que significa pontos importantes (cinco pontos a dividir entre os vencedores dos troços). Estamos com a estratégia correta, com o ritmo correto, foi pena os dois percalços da manhã, que são inexplicáveis e que por vezes acontecem. Tirando isso, estamos com bom ritmo e o carro é muito competitivo. Estamos muito contentes”.

PE11 - Luílhas 1 (10,84 km) – Sordo volta a vencer

Armindo Araújo voltou a apresentar-se a um ritmo muito elevado, mas desta vez já não foi suficiente para o andamento do espanhol, que o bateu por 2,7 segundos. O piloto de Santo Tirso conseguiu subir todavia um lugar na classificação geral, para sétimo, por troca com Alberto Ancarola.

Ricardo Teodósio continuou por sua vez a consolidar a liderança das contas do CPR, ao mesmo tempo que Ricardo Moura se vai paulatinamente aproximando do terceiro lugar de Miguel Barbosa, a quem conseguiu ganhar mais um 1,5s, fixando a desvantagem relativamente ao piloto lisboeta em apenas 2,6s.

Nas duas rodas motrizes continua a marcha cada vez mais triunfal de Pedro Antunes, que lidera também a Peugeot 208 Rally Cup Ibérica.

Classificação após PE11: 1.º Dani Sordo/Carlos del Barrio (Hyundai i20 R5), 1h14m27,0s; 2.º Ricardo Teodósio/José Teixeira (Skoda Fabia R5), a 54,6; 3.º Miguel Barbosa/Paulo Babo (Skoda Fabia R5), a 1m21,5s; 4.º Ricardo Moura/António Costa (Skoda Fabia R5), a 1m24,1s; 5.º Bruno Magalhães/Hugo Magalhães (Hyundai i20 R5), a 1m45,3s; 6.º José Pedro Fontes/Inês Ponte (Citroën C3 R5), a 1m50,9s; 7.º Armindo Araújo/Luís Ramalho (Hyundai i20 R5), a 2m14,6s; 8.º Alberto Heller Ancarola/José Luís Diaz (Ford Fiesta RC2), a 2m18,0s; 9.º Pedro Heller Ancarola/Marc Marti Moreno (Ford Fiesta R5), a 2m50,8s; 10.º Pedro Almeida/Alberto Silva (Skoda Fabia R5), a 3m18,6s…

PE10 - Montim 1 (8,52 km) – À 11.ª foi de vez: Armindo retira hegemonia a Sordo

Foi só por segundo e meio, mas foi o suficiente para Armindo Araújo quebrar a hegemonia de Dani Sordo e vencer uma classificativa neste Rali Serras de Fafe. O tirsense teve alguns problemas, nas classificativas até aqui disputadas, no Hyundai, mas em condições normais está a ser consistentemente rápido.

Não tão bem esteve Miguel Barbosa, que perdeu cerca de 11 segundos para Armindo, fruto de um tête, mas na classificação geral, não houve alterações de monta entre os da frente, tal como nas duas rodas motrizes, competição particular na qual Pedro Antunes tem vido a evidenciar confortável domínio desde os primeiros quilómetros da prova.

A nota saliente, pela negativa, no top 10, tocou a Pedro Meireles, forçado ao abandono depois da caixa de direcção ter cedido, na estreia do VW Polo GT R5.

Classificação após PE10: 1.º Dani Sordo/Carlos del Barrio (Hyundai i20 R5), 1h06m48,5s; 2.º Ricardo Teodósio/José Teixeira (Skoda Fabia R5), a 48,8; 3.º Miguel Barbosa/Paulo Babo (Skoda Fabia R5), a 1m13,8s; 4.º Ricardo Moura/António Costa (Skoda Fabia R5), a 1m17,9s; 5.º Bruno Magalhães/Hugo Magalhães (Hyundai i20 R5), a 1m33,6s; 6.º José Pedro Fontes/Inês Ponte (Citroën C3 R5), a 1m40,8s; 7.º Alberto Heller Acarola/José Luís Diaz (Ford Fiesta RC2), a 2m05,6s; 8.º Armindo Araújo/Luís Ramalho (Hyundai i20 R5), a 2m14,6s; 9.º Pedro Heller Ancarola/Marc Marti Moreno (Ford Fiesta R5), a 2m29,8s; 10.º Pedro Almeida/Alberto Silva (Skoda Fabia R5), a 3m01,09s…

Ricardo Teodósio, líder do CPR após a segunda secção de sábado

“Temos vindo a ficara cada vez mais à vontade com o carro. Testámos bastante, antes da prova, fizemos o nosso trabalho de casa e penso que está aqui demonstrado, até agora, o fruto desse mesmo trabalho. Estamos confiantes, mesmo se no segundo troço da segunda secção de hoje (S. Pedro 2) tivemos muitos problemas de tração, porque a gravilha estava muito solta. Para este último da manhã, fizemos algumas alterações na direção e na pressão dos pneus e isso resultou numa grande diferença para melhor e já andámos a sério. Mas penso que ainda é possível melhorar um bocadinho."

PE9 - Aboim/Rio Vizela 2 – Mais do mesmo

Dani Sordo e Carlos del Barrio venceram a décima em dez e Ricardo Teodósio/José Teixeira (Skoda Fabia R5) parecem estar já a gerir a lideranças relativamente confortável de cerca de 20 segundos sobre Miguel Barbosa/Paulo Babo (Skoda Fabia R5), nas contas do CPR.

Armindo Araújo/Luís Ramalho (Hyundai i20 R5) regressaram aos bons «cronos» e tudo correu dentro da normalidade entre os dez primeiro e também nas duas rodas motrizes, com Pedro Antunes a dar a ideia de controlo da situação nesta luta particular.

Classificação após PE8: 1.º Dani Sordo/Carlos del Barrio (Hyundai i20 R5), 1h00m49,7s; 2.º Ricardo Teodósio/José Teixeira (Skoda Fabia R5), a 44,7; 3.º Miguel Barbosa/Paulo Babo (Skoda Fabia R5), a 1m04,2s; 4.º Ricardo Moura/António Costa (Skoda Fabia R5), a 1m19,9s; 5.º Bruno Magalhães/Hugo Magalhães (Hyundai i20 R5), a 1m27,7s; 6.º José Pedro Fontes/Inês Ponte (Citroën C3 R5), a 1m36,1s; 7.º Alberto Heller Acarola/José Luís Diaz (Ford Fiesta RC2), a 2m00,4s; 8.º Pedro Meireles/Mário Castro (VW Polo GTI R5), a 2m09,1s; 9.º Armindo Araújo/Luís Ramalho (Hyundai i20 R5), a 2m16,1s; 10.º Pedro Heller Ancarola/Marc Marti Moreno (Ford Fiesta R5), a 2m21,0s…

PE8 - S. Pedro 2 – Mais problemas para Armindo em nova vitória de Sordo

Na frente nada de novo: Dani, Dani, Dani!...

Armindo Araújo, em sentido inverso, depois dos problemas de acelerador no Hyundai i20 R5, fez um pião e não conseguiu engrenar a marcha atrás, tendo pedido muito tempo com a manobra. Resultado: 47,7s perdidos para o vencedor, o 30.º posto na classificativa e a queda para décimo da geral.

Miguel Barbosa/Paulo Babo (Skoda Fabia R5) foram desta feita os segundso classificados, imediatamente à frente de Ricardo Teodósio/José Teixeira (Skoda Fabia R5), que continuam a liderar o CPR. De resto, excluindo o atraso de Armindo Araújo, quase nada mudou entre os dez primeiros, sendo que nas duas rodas motrizes se mantinha o domínio de Pedro Antunes e Paulo Lopes (Peugeot 208 R2).

Classificação após PE8: 1.º Dani Sordo/Carlos del Barrio (Hyundai i20 R5), 53m23,3s; 2.º Ricardo Teodósio/José Teixeira (Skoda Fabia R5), a 38,5s; 3.º Miguel Barbosa/Paulo Babo (Skoda Fabia R5), a 58,5s; 4.º Ricardo Moura/António Costa (Skoda Fabia R5), a 1m03,0s; 5.º Bruno Magalhães/Hugo Magalhães (Hyundai i20 R5), a 1m14,8s; 6.º José Pedro Fontes/Inês Ponte (Citroën C3 R5), a 1m28,5s; 7.º Alberto Heller Acarola/José Luís Diaz (Ford Fiesta RC2), a 1m42,5s; 8.º Pedro Meireles/Mário Castro (VW Polo GTI R5), a 1m59,7s; 9.º Pedro Heller Ancarola/Marc Marti Moreno (Ford Fiesta R5), a 2m07,0s; 10.º Armindo Araújo/Luís Ramalho (Hyundai i20 R5), a 2m08,8s…

PE7-Ruivães 2 – E o vencedor foi… Sordo!

Sucedem-se as classificativas, mas na frente de cada uma nada muda: Dani Sordo/Carlos del Barrio (Hyundai i20 R5) e um recital de condução. Azar tiveram Armindo Araújo/Luís Ramalho (Hyundai i20 R5), a quem uma avaria no acelerador do Hyundai oficial provocou um enorme perda de tempo, 33,5s para Sordo.

Ricardo Teodósio/José Teixeira (Skoda Fabia R5) continuaram a consolidar a segunda posição e a liderança no Campeonato de Portugal de Ralis, enquanto Ricardo Moura/António Costa (Skoda Fabia R5) começaram igualmente a limitar o dano, aproximando-se perigosamente do regresso ao terceiro posto, que continuou nas mãos de Miguel Barbosa/Paulo Babo (Skoda Fabia R5), mesmo se apenas por três décimas.

Nas duas rodas motrizes e entre os Peugeot do Troféu, Pedro Antunes e Paulo Lopes (Peugeot 208 R2) continuaram igualmente a dar o mote, numa liderança razoavelmente tranquila.

Classificação após PE7: 1.º 1.º Dani Sordo/Carlos del Barrio (Hyundai i20 R5), 47m21,7s; 2.º Ricardo Teodósio/José Teixeira (Skoda Fabia R5), a 35,8s; 3.º Miguel Barbosa/Paulo Babo (Skoda Fabia R5), a 56,8s; 4.º Ricardo Moura/António Costa (Skoda Fabia R5), a 57,1s; 5.º Bruno Magalhães/Hugo Magalhães (Hyundai i20 R5), a 1m10,4s; 6.º Armindo Araújo/Luís Ramalho (Hyundai i20 R5), a 1m21,1s; 7.º José Pedro Fontes/Inês Ponte (Citroën C3 R5), a 1m25,5s; 8.º Alberto Heller Acarola/José Luís Diaz (Ford Fiesta RC2), a 1m34,8s; 9.º Pedro Meireles/Mário Castro (VW Polo GTI R5), a 1m53,3s; 10.º Pedro Heller Ancarola/Marc Marti Moreno (Ford Fiesta R5), a 1m56,6s…

Armindo Araújo no final da primeira secção de sábado

O piloto de Santo Tirso fez uma manhã ao ataque. “Fez parte da estratégia delineada ontem (sexta-feira), que foi algo arriscada, porque perdemos deliberadamente tempo para sairmos um pouco mais atrás na ordem na estrada de hoje. Só que com isso criámos um grande fosso para os nossos adversários da frente, pelo que hoje temos de andar a fundo. É o que estamos a tentar fazer, sem cometer erros. Obviamente que há muita pressão, mas até agora o rali tem-nos corrido bem e temos conseguido fazer o que pretendíamos, mesmo se a prova nem a meio chegou. Se conseguirmos manter este ritmo até ao fim, será muito bom."

PE6-Aboim/Rio Vizela 1 (10,32 km) – Sete em sete para o piloto espanhol

O «furacão» Dani Sordo e Carlos del Barrio (Hyundai i20 R5) continuam a andar na frente nas Serras de Fafe, mas, desta vez, Ricardo Teodósio/José Teixeira (Skoda Fabia R5) quase conseguiam «meter uma lança em África», já que perderam apenas três décimas para o espanhol. Já Ricardo Moura e António Costa (Skoda Fabia R5), esses sim a sentir os efeitos de ser o segundo na estrada, continuam a cair na classificação geral e de uma assentada, perderam duas posições, uma para Miguel Barbosa Paulo Babo (Skoda Fabia R5) em terceiros e outra para Armindo Araújo e Luís Ramalho (Hyundai i20 R5) que são quartos.

Entretanto, Pedro Antunes continua a liderar as duas rodas motrizes e a Peugeot Rally Cup Ibérica, ocupando a 22.ª posição da geral, a 4m34,5s de Dani Sordo

Classificação após PE6: 1.º 1.º Dani Sordo/Carlos del Barrio (Hyundai i20 R5), 41m23,3s; 2.º Ricardo Teodósio/José Teixeira (Skoda Fabia R5), a 31,7s; 3.º Miguel Barbosa/Paulo Babo (Skoda Fabia R5), a 46,6s; 4.º Armindo Araújo/Luís Ramalho (Hyundai i20 R5), a 47,6s; 5.º Ricardo Moura/António Costa (Skoda Fabia R5), a 49,9s; 6.º Bruno Magalhães/Hugo Magalhães (Hyundai i20 R5), a 1m02,9s; 7.º José Pedro Fontes/Inês Ponte (Citroën C3 R5), a 1m16,1s; 8.º Alberto Heller Acarola/José Luís Diaz (Ford Fiesta RC2), a 1m26,9s; 9.º Pedro Meireles/Mário Castro (VW Polo GTI R5), a 1m46,0s; 10.º Pedro Heller Ancarola/Marc Marti Moreno (Ford Fiesta R5), a 1m48,9s…

PE5-S. Pedro 1 (8,02 km) – Ainda Sordo

Abrir os troços é naturalmente um handicap, mas parece que ninguém avisou Dani Sordo/Carlos del Barrio (Hyundai i20 R5), que continuam a ganhar especial atrás de especial, dilatando a vantagem para os adversários «crono» após «crono». Armindo Araújo/Luís Ramalho (Hyundai i20 R5) lancaram o ataque que os levou a serem apenas quatro décimas de segundo mais lentos do que a dúpla espanhola.

Entretanto, para Ricardo Moura/António Costa (Skoda Fabia R5), serem os segundos na estrada parece estar a revelar-se realmente um handicap e Ricardo Teodósio/José Teixeira (Skoda Fabia R5) reforçaram o segundo lugar à geral, mesmo se Armindo Araújo, Miguel Barbosa/Paulo Babo e Alberto Heller/José Luís Diaz ficaram, por esta ordem, à sua frente na especial.

Bruno Magalhães, navegado por Hugo Magalhãs, queixava-se que os problemas sentidos no diferencial dianteiro, no primeiro dia, ainda não estavam resolvidos.

Mesmo assim, embora com aproximações temporais entre alguns concorrentes, a classificação geral não sofreu alterações entre as dez primeiras duplas.

Classificação após PE5: 1.º 1.º Dani Sordo/Carlos del Barrio (Hyundai i20 R5), 33m57,7s; 2.º Ricardo Teodósio/José Teixeira (Skoda Fabia R5), a 31,4s; 3.º Ricardo Moura/António Costa (Skoda Fabia R5), a 39,4s; 4.º Miguel Barbosa/Paulo babo (Skoda Fabia R5), a 41,2s; 5.º Armindo Araújo/Luís Ramalho (Hyundai i20 R5), a 45,4s; 6.º Bruno Magalhães/Hugo Magalhães (Hyundai i20 R5), a 56,6s; 7.º José Pedro Fontes/Inês Ponte (Citroën C3 R5), a 1m06,4s; 8.º Alberto Heller Acarola/José Luís Diaz (Ford Fiesta RC2), a 1m13,4 s; 9.º 10.º Pedro Heller Ancarola/Marc Marti Moreno (Ford Fiesta R5), a 1m34,2s; 10.º Pedro Meireles/Mário Castro (VW Polo GTI R5), a 1m38,4s…

PE4-Ruivães 1 (9,65 km) – Sordo continua a dominar

A derradeira etapa do Rali Serras de Fafe, disputada este sábado, começou com o mote da véspera e nem o facto de abrir a estrada, limpando o terreno para todos os restantes concorrentes, impediu Dani Sordo e Carlos del Barrio (Hyundai i20 R5) de manterem a hegemonia do primeiro dia.

De facto, o piloto espanhol continua a não dar quaisquer chances à concorrência e deixou os mais diretos rivais na classificativa, Armindo Araújo e Luís Ramalho, a mais de cinco segundo, aumentando a vantagem à geral para 25,6 segundos sobre os segundos classificados, Ricardo Teodósio e José Teixeira (Skoda Fabia R5).

O algarvio foi aliás o terceiro classificado em Ruivães 1, imediatamente à frente dos espanhois Alberto Heller Alacarola/José Luís Diaz (Ford Fiesta R5) e de Ricardo Moura/António Costa (Skoda Fabia R5), que foram quintos, caindo para o terceiro lugar à geral, por troca com Teodósio.

Pedro Antunes e Paulo Lopes (Peugeot 208 R2) mantêm-se como os melhores nas duas rodas motrizes e comandam a Peugeot Rally Cup Ibérica.

PANTUNES Pedro Antunes/Paulo Lopes (Peugeot 208 R2)

Classificação após PE4: 1.º 1.º Dani Sordo/Carlos del Barrio (Hyundai i20 R5), 27m51,0s; 2.º Ricardo Teodósio/José Teixeira (Skoda Fabia R5), a 25,6s; 3.º Ricardo Moura/António Costa (Skoda Fabia R5), a 28,4s; 4.º Miguel Barbosa/Paulo babo (Skoda Fabia R5), a 36,5; 5.º Armindo Araújo/Luís Ramalho (Hyundai i20 R5), a 45,0s; 6.º Bruno Magalhães/Hugo Magalhães (Hyundai i20 R5), a 49,7s; 7.º José Pedro Fontes/Inês Ponte (Citroën C3 R5), a 58,1; 8.º Alberto Heller Acarola/José Luís Diaz (Ford Fiesta RC2), a 1m08,1s; 9.º Pedro Meireles/Mário Castro (VW Polo GTI R5), a 1m08,4s; 10.º Pedro Heller Ancarola/Marc Marti Moreno (Ford Fiesta R5), a 1m24,6s…

Declarações dos três primeiros no final do primeiro dia.

Dani Sordo - 1º classificado, 21m58,2s
"A primeira secção correu bem. Amanhã é um dia longo, com muitos quilómetros, e como saímos primeiro temos que limpar um pouco a estrada."
"Viemos para desfrutar e ganhar algum ritmo antes do Rali do México. O facto de estar em primeiro não é muito positivo, porque haverá um pouco mais de gravilha nos troços e temos que limpar a estrada. Mas vamos tentar o melhor e divertir-nos."

serrasdefafe sordo

Ricardo Moura - 2º da geral, 1º Português a 18.1s
"Acho que tenho uma margem boa para evoluir. Tive algum tempo sem competir e é difícil espremer tudo e há sempre alguma falta de ritmo, alguma falta de atitude em determinadas zonas dos troços. Acho que, no fundo, o meu ritmo é bom mas, dentro da especial, tenho altos e baixos e tenho dificuldade em ser consistente mas estou satisfeito. Está a ser um rali sem grandes problemas, com algumas dificuldades comuns a toda a gente, com falta de grip, mas está a correr bem."

serrasdefafe moura

Ricardo Teodósio - 3º da geral, 2º Português a 19.6s
"Fomos muito rápidos, nós vínhamos muito rápidos também na primeira (passagem) mas infelizmente fiz um tete e fiquei de frente para uma barreira com uma pedra nas costas e o carro não queria pegar. Perdemos cerca de 11 segundos o que, tirando ao tempo que fizemos, eramos segundos a 2 segundos e pouco do Sordo. O que era muito bom. Não deu. Para a segunda passagem fomos com a mesma toada da primeira e conseguimos ficar atrás do Sordo 3,8s o que é bom.
Ganhamos à geral entre os portugueses que é o que interessa e agora ganhei outra vez as duas especiais, o que é muito bom. Amanhã temos que manter esta toada e continuar a atacar."

serrasdefafe teodosio1

Campeonato de Ralis Norte

Miguel Teixeira e Vítor Pereira, em BMW E30, venceram o Rali Serras de Fafe pontuável para o Campeonato Norte de Ralis, prova que foi liderada por Filipe Madureira e Emanuel Gonçalves até à desistência, na especial Aboim Rio Vizela, devido à cedência da caixa de velocidades do Mitsubishi Lancer Evo IX. As duplas João Castela/Maikel Rodrigues (Peugeot 208 R2) e Jorge Ribeiro/Daniel Pereira (Citroën C2 R2) completaram o pódio.

Classificação final oficiosa: 1.º Miguel Teixeira/Vítor Pereira (BMW E30), 40m28,4s; 2.º João Castela/Maikel Rodrigues (Peugeot 208 R2), a 17,3s; 3.º Jorge Ribeiro/Daniel Pereira (Citroën C2 R2), a 55,0s; 4.º Eugénio Madureira/ António Duarte (Mitsubishi Carisma GT), a 1m21,0s; 5.º José Ribeiro da Silva/ Martinho Oliveira (Peugeot 208 R2), a 3m10,0s; 6.º António Oliveira/ Filipe Carvalho (Peugeot 205 GTI), a 3m27,4s; 7.º Henrique Mendes/ Pedro Santana (Nissan Micra), a 4m45,3s.

 

ERTiberia.com apresentado no Serras de Fafe

PlacaRallySerrasdeFafe.pngAproveitando presença de pilotos no Rally Serras de Fafe, Comunicação Social e organizadores, foi apresentado o novo site do European Rally Trophy Iberian www.ertiberia.com, desenvolvido para potenciar a promoção das provas disputadas na Península Ibérica.

O ERT Iberian – uma das sete regiões europeias com acesso à Final do ERT, no Rallye tInternacional du Valais, de 17 a 19 de outubro – vai incluir, em 2019, seis provas, seguindo-se ao Serras de Fafe, o Rally Sierra Morena, em Córdoba, antes da viagem até Tenerife, para o Rallye Vila de Adeje. Em agosto será a vez do Rali Vinho da Madeira, prosseguindo com o Rally Princesa de Astúrias, em setembro. O Rally Casinos do Algarve encerra o ERT Iberian embora, pela impossibilidade de alterar a data da prova a disputar em novembro, os pilotos que terminem nos lugares pontuáveis ‘retenham’ esses pontos para o campeonato de 2020.

No site www.ertiberia.com é possível descobrir o que é o ERT, os regulamentos da competição – agora diferenciado do ERC – as provas pontuáveis, formulários de inscrição, notícias, tempos online, notificações e informações sobre os patrocinadores. Entre as funcionalidades da página é possível encontrar ainda as ajudas e prémios que os organizadores oferecem como incentivo para que pilotos portugueses e espanhóis possam correr do outro lado da fronteira. Promoção de intercâmbio que conta com forte apoio da FIA e que tem, entre outras vantagens, o apoio na Michelin aos pilotos que disputem provas no País vizinho, oferecendo 50% do valor dos pneus adquiridos.